O Sinal da Cruz – Kevin Reed

Publicado em: 8 de abril de 2018 Por: Rev. Ageu Magalhães
É apropriado oferecermos alguns comentários sobre a colocação de cruzes em edifícios de culto. Quando falamos da cruz, ou cruzes, estamos nos referindo ao símbolo visível chamado cruz, não aos sofrimentos do Salvador. Quando o apóstolo Paulo exclamou: “Deus não permita que eu me glorie, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo” (Gálatas 6:14), ele proferiu uma verdade preciosa. Mas a expressão do apóstolo é obviamente uma sinédoque, pela qual ele exalta a obra salvadora de Cristo. A declaração de Paulo não tem referência a símbolos visíveis, conhecidos entre nós como cruzes.

A adoração direta ou adoração de cruzes é claramente proibida pelas escrituras, no primeiro e segundo mandamentos, que proíbem adorar alguém ou alguma coisa além do Senhor. Historicamente, os protestantes condenaram a adoração de cruzes; por exemplo, a Confissão Escocesa de 1580 lista especificamente a “adoração de imagens, relíquias e cruzes”, entre as práticas deploráveis do “Anticristo Romano”. (Esta condenação foi estendida ao gesto supersticioso de “cruzar”, que também é empregado dentro de ritos e cerimônias romanas).

A maioria dos protestantes ainda reconhece que o culto direto das cruzes é pecaminoso. Mas uma disputa resulta quando muitos protestantes professos defendem o uso da cruz como um símbolo.

Agora, o que é um símbolo? É uma representação visível de algo. Se eles dizem que a cruz é um símbolo da divindade, então eles novamente violam o segundo mandamento, que proíbe fazer ou usar representações do Senhor (Cf. Deuteronômio 4: 15-16; Atos 17:29). Naturalmente, a maioria dos protestantes não afirmaria que a cruz é uma representação de Deus. Portanto, os defensores de cruzes devem explicá-lo como um símbolo de outra coisa; então eles mudam o argumento para dizer que uma cruz é um símbolo da redenção ou da obra de Cristo.

Nesta situação, a cruz torna-se agora um rival feito pelo homem para os sacramentos. Como já observamos, o batismo e a Ceia do Senhor servem como sinais visíveis e selos da obra redentora de Cristo; os sacramentos são uma palavra visível para testemunhar a redenção. “Porque, da mesma maneira que comeste este pão e bebe deste cálice, mostra a morte do Senhor até que ele venha” (1 Coríntios 11:26).

Os defensores de cruzes implicitamente impugnam a sabedoria de Cristo ao suplementar os sacramentos com a cruz como um sinal acessório. É uma implicação inevitável que a cruz, empregada como um símbolo ou como uma ajuda para a devoção, participe de uma característica sacramental como um sinal.

Alguns dirão que a postagem de uma cruz em uma casa ou em um prédio da igreja é uma coisa incidental, assim como o arranjo de cadeiras, carpetes e papel de parede. Mas tais elementos incidentais da decoração não possuem o caráter simbólico da cruz. Os observadores de cruzes devem se opor ao fato inegável de que a colocação de uma cruz dentro de um edifício de culto não é um aspecto meramente indiferente do projeto arquitetônico. Os únicos incidentes em um local de culto são aquelas “circunstâncias concernentes à adoração de Deus, e o governo da Igreja, comum às ações e sociedades humanas, que devem ser ordenadas pela luz da natureza e pela prudência cristã, de acordo com a lei geral. regras da palavra, que devem ser sempre observadas. “[10]

É preciso também considerar as associações más da cruz. A cruz, como símbolo ou gesto, não é encontrada nas escrituras. Durante séculos, a cruz tem sido e continua sendo um implemento proeminente do culto e da superstição papista. Nenhum homem sensato pode negar esses fatos. Visto que a cruz não tem garantia bíblica para seu uso, por que ela deveria ter algum lugar entre aqueles que adoram “em espírito e em verdade”? (João 4: 23-24). O povo de Deus foi ordenado a purgar do meio deles os instrumentos da adoração corrupta usada pelas falsas religiões (Deut. 12: 2-3, 30-31).

Além disso, mesmo que a cruz possuísse uma origem nobre, a superstição agora ligada a ela argumentaria pela sua abolição. Considere o exemplo de Ezequias em referência à serpente de bronze. A serpente de bronze foi originalmente construída por ordem de Deus, mas foi destruída quando se tornou uma armadilha para o povo de Deus (2 Reis 18: 4). Quão mais rapidamente, então, devemos descartar um símbolo feito pelo homem que continua a ser um estandarte do Anticristo Romano?

Em resumo, não há autorização bíblica para designar a cruz como um símbolo (ou gesto) para adornar as assembleias do povo de Deus. Até que os detentores de cruzes possam produzir tal mandado, o uso de cruzes é condenado somente com base nisso, uma vez que o princípio regulador do culto proíbe todas as adições humanas aos rituais e símbolos designados por Deus no culto. Além disso, a superstição fomentada pelas cruzes exige que sejam expurgadas do meio do povo de Deus.
Compartilhe nas redes!

Newsletter

Inscreva-se para receber novos artigos do Blog.



Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Artigos Relacionados:


Pastoras… Por que não?

Publicado em: 26 de outubro de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães
Revoice – Desejo é pecado ou apenas o ato?

Publicado em: 6 de agosto de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães
Edir Macedo criticando Jesus

Publicado em: 5 de outubro de 2020 Por: Rev. Ageu Magalhães
Flordelis e sua Queda

Publicado em: 26 de agosto de 2020 Por: Rev. Ageu Magalhães
A Observância do Natal – Stephen D. Doe

Publicado em: 24 de dezembro de 2019 Por: Rev. Ageu Magalhães
6 razões pelas quais não precisamos de líderes de louvor no culto – Jonathan Aigner

Publicado em: 10 de dezembro de 2019 Por: Rev. Ageu Magalhães