É possível receber membro que discorde do Batismo Infantil?

Publicado em: 21 de julho de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães

Não creio que seja possível receber como membro da Igreja Presbiteriana do Brasil alguém que não concorda com o Batismo Infantil (Pedobatismo) por alguns motivos:

1º O batismo dos filhos dos crentes, consoante a teologia da aliança, é parte da finalidade da Igreja Presbiteriana do Brasil: “A Igreja Presbiteriana do Brasil tem por fim prestar culto a Deus, em espírito e verdade, pregar o Evangelho, batizar os conversos, seus filhos e menores sob sua guarda e ‘ensinar os fiéis a guardar a doutrina e prática das Escrituras do Antigo e Novo Testamentos, na sua pureza e integridade, bem como promover a aplicação dos princípios de fraternidade cristã e o crescimento de seus membros na graça e no conhecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo’.” (Art. 2º, CI/IPB)

2º De acordo com a Constituição da IPB são funções privativas do Conselho: “velar por que os pais não se descuidem de apresentar seus filhos ao batismo” (Art. 83, alínea “u”)

3º Conforme os Princípios de Liturgia da IPB “Os membros da Igreja Presbiteriana do Brasil devem apresentar seus filhos para o batismo, não devendo negligenciar essa ordenança.” (Art. 11, PL/IPB)

4º O Supremo Concílio, assembleia geral da IPB, já se manifestou especificamente sobre o tema: “SC – 1958 – DOC. CV: “Batismo de Menores – […] membro de Igreja que apresenta filhos ao batismo – o SC resolve: 1) Determinar que os conselhos das igrejas, na ocasião do exame de candidatos, verifiquem cuidadosamente as convicções doutrinárias destes e não recebam caso não aceitem as doutrinas da IPB. 2) Que os membros da Igreja que se recusam a apresentar seus filhos ao batismo sejam devidamente instruídos na doutrina e persuadidos a proceder de acordo com ela. Caso persistam na sua atitude, o Conselho deverá agir de conformidade com o que determina a CI/IPB, em seu Código de Disciplina”.

As leis acima preservam a unidade da igreja local e evitam problemas futuros. Alguns Conselhos não levam este assunto a sério e acabam por permitir que discordantes do Batismo Infantil sejam recebidos na membresia da igreja. Passam-se os anos e os discordantes tornam-se diáconos e presbíteros da Igreja trazendo grandes problemas por não estarem de acordo com a doutrina da IPB.

Compartilhe nas redes!

Newsletter

Inscreva-se para receber novos artigos do Blog.



Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Artigos Relacionados:


Pode o Conselho indicar o nome do Pastor?

Publicado em: 4 de agosto de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães
Presbiterianos podem ser “padrinhos” de casamento?

Publicado em: 27 de julho de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães
É possível fazer reunião de concílio pela internet (online)?

Publicado em: 26 de julho de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães
É possível fazer assembleia online para eleição de oficiais?

Publicado em: 10 de julho de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães
Por que o Art. 33 diz que o pedido do Conselho quanto a pastor tem que ser “sem designação” de nome?

Publicado em: 6 de julho de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães
Pode um Presbitério ordenar um candidato sem licenciá-lo antes?

Publicado em: 2 de julho de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães