Mandela e o nosso senso de justiça

Publicado em: 6 de dezembro de 2013 Por: Rev. Ageu Magalhães
Nosso senso de justiça é imperfeito. Temos a tendência de canonizar ou demonizar os que morrem. Mandela morreu ontem e já está praticamente canonizado. É inegável que sua vida foi uma inspiração. Um homem que passa 27 anos preso e depois é eleito presidente de seu país merece nosso respeito. Sua luta contra o preconceito e o racismo também são dignos de nossos maiores elogios. Porém, é preciso ponderarmos que ele não foi santo.

Como marido, foi um fracasso e foi muito leniente com defeitos de seus amigos e aliados como Robert Mugabe (presidente do Zimbábue), Muamar Kadafi (ex-ditador da Líbia) e Fidel Castro. Outro ponto que me chamou a atenção desde a primeira vez que assisti o filme mais popular sobre sua vida (Invictus – 2009) foi a confiança de Mandela no poema de William Ernest Henley, que deu nome ao filme citado. Veja a letra:

Do avesso desta noite que me encobre,
Preta como a cova, do começo ao fim,
Eu agradeço a quaisquer deuses que existam,
Pela minha alma inconquistável.

Na garra cruel desta circunstância,
Não estremeci, nem gritei em voz alta.
Sob a pancada do acaso,
Minha cabeça está ensanguentada, mas não curvada.

Além deste lugar de ira e lágrimas
Avulta apenas o horror das sombras.
E apesar da ameaça dos anos,
Encontra-me, e me encontrará destemido.

Não importa quão estreito o portal,
Quão carregada de punições a lista,
Sou o mestre do meu destino:
Sou o capitão da minha alma.
Sendo Mandela metodista, naturalmente esperava-se que ele se agarrasse em poemas bíblicos naqueles que foram os piores anos de sua vida. Porém, como já dissemos, ninguém é perfeito. Não devemos demonizar o Madiba, tão pouco canonizá-lo… Perfeito, só nosso Redentor Jesus Cristo. Este sim sofreu tudo o que não merecia, orou por seus algozes e libertou injustos como nós. Que Seu nome seja louvado para sempre!
Compartilhe nas redes!

Newsletter

Inscreva-se para receber novos artigos do Blog.



Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Newest
Oldest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Anonymous
Anonymous
10 anos atrás

Fico feliz pelas considerações, pois infelizmente temos muitos cristãos que cumprem aquele ditado que nos exorta a "não jogarmos fora o bebê junto com a água da banheira". Mandela e Luther King foram impares em suas contribuições em seus países e povos no que tange a justiça tal como anunciada em toda escritura, independente se o fizeram em nome de um partido ou classe, melhor seria se fosse em Nome de Jesus, porém creio que o intuito é exatamente este, que os homens aprendam a serem justos e ético ainda que não sejam cristãos! A Salvação da injustiça também é foco do Deus da Biblia. Nós com todo o Poder Pentecostal que temos não conseguimos sequer mudar nosso bairro em torno da congregação!A pergunta é: O que temos feito em Nome de Jesus? E o que eles têm feito semelhante ao que Jesus o faria mesmo sem por seu Nome?

Artigos Relacionados:


Formação de Pastores Online?

Publicado em: 11 de novembro de 2022 Por: Rev. Ageu Magalhães
Mais que uma pedrinha

Publicado em: Por: Rev. Ageu Magalhães
Ataque dos cães feministas

Publicado em: 1 de março de 2022 Por: Rev. Ageu Magalhães
Homens de Honra

Publicado em: Por: Rev. Ageu Magalhães
Salomão foi salvo?

Publicado em: Por: Rev. Ageu Magalhães
Pastoras… Por que não?

Publicado em: 26 de outubro de 2021 Por: Rev. Ageu Magalhães