A biologia e o sexo anal

Atenção, se você é menor de 10 anos, clique aqui.

A palestra a seguir aconteceu no Seminário: Sexualidade (2ª parte) com a Dra. Anete Guimarães (Rio de Janeiro/RJ) no 18º EMERJ em Jales/SP. Para não parecer que isso é algum tipo de “homofobia evangélica”, informo que a Dra. Anete é espírita. Informo também que um experiente cardiologista amigo meu, presbítero, assistiu este vídeo e atestou a veracidade das informações. 

Veja abaixo a opinião do Rev. Hernandes Dias Lopes sobre este assunto:

Existem limites para a intimidade sexual dentro do casamento?

Rev. Hernandes Dias Lopes: O casamento implica em intimidade. Ele legitima e santifica a intimidade. Do ponto de vista da sexualidade, eu entendo à luz da Bíblia que o corpo é santo. Não existe uma parte do corpo mais santa ou menos santa. Todo o corpo é santo. Então Deus santificou o nosso corpo e ele é habitação de Deus, foi comprado por Deus e deve glorificar a Deus. Essa liberdade pode ir até o limite da legitimidade O que penso eu, ser ilegítimo e inconveniente é quando nós tentamos alterar o projeto da criação. Por exemplo: Deus fez as nossas narinas para baixo. Se fossem feitas para cima, nós morreríamos afogados. Então, por exemplo, a questão do sexo anal, que está se tornando comum dentro da propagação da pornografia é uma agressão à mulher, é um sexo que não é limpo – porque o ânus não foi feito para receber a penetração, é um órgão criado por Deus para a excreção – de tal forma que quando a pessoa entra por esse caminho está agredindo o cônjuge ele está promovendo um sexo que não tem a característica da pureza e ele se torna viciante e degradante. E mais: a pessoa tem a tendência de não se satisfazer mais com aquilo que é natural. Então é uma degradação e tudo aquilo que degrada o ser humano, ofende ao criador, se choca contra o projeto de Deus e é nocivo.
Fonte: Guia-me

2 comments on “A biologia e o sexo anal”

  1. Aprendiz Responder

    E se fosse evangélica, e daí?

    Sua fala tem de ser julgada pela qualidade das evidências e argumentos que apresenta. Se ela fosse evangélica, e algum crítico resolvesse desmerecer sua apresentação com base nisso, tal crítico deveria ser execrado como um sofista desprezível.

    Os evangélicos tem de parar de pedir desculpas por serem evangélicos. Quem se desrespeita, chama mais ataques do inimigo sobre si.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *