Nada Mais Importa!

Essas palavras nos mostram que estamos diante de um acontecimento mais importante que se possa pensar. Alguns poetas já tentaram descrever o momento presente como o mais importante de todos, e ele tem apenas a duração do instante que passa, doce pássaro do agora, que quando se dá por ele, já voou, para nunca mais voltar. (Mário Quintana)
Outros ainda crêem que o melhor ficou para trás e se arriscam a dizer que as coisas findas, muito mais que lindas, essas ficarão. (Carlos Drumond de Andrade)
E há, claro, os que têm esperança que o melhor ainda está por vir nessa vida, por isso, para eles quem sempre vence é o porvir. (Castro Alves)
A frase do título, entretanto, realça o momento pelo qual todos esperam por quatro anos, passam o mês realmente concentrados na realidade de que nada mais importa e, já que daqui a quatro anos o torneio será no Brasil, de fato nada mais importa além da Copa do Mundo de Futebol da FIFA.
Talvez você também esteja imbuído dessa ‘verdade’ e tenha se preparado para fazer aquilo que boa parte do mundo faz: colecionar o álbum de figurinhas, conhecer a escalação completa, torcer, abraçar, chorar e gritar como se cada pessoa que se senta ao seu lado no momento mágico do “gooooool” fosse seu melhor amigo, o mais chegado irmão.
O fato de ser na África do Sul pós-Mandela traz um toque especial ao ideal humanitário do fim da segregação racial, mostrando como o grande deus-futebol tem a solução para a verdadeira promoção da paz e da alegria nesse mundo tão mau.
Tudo parece muito bonito; entretanto, precisamos analisar como crentes, qual deve ser o nosso compromisso com a Copa do Mundo. Também sou brasileiro, gosto muito de futebol, estou tentando completar o álbum de figurinhas com meus filhos e espero que o Brasil jogue com raça e ganhe cada jogo; mas qual é o limite razoável dessas coisas e como devemos agir? Espero que aqui possamos ver algumas questões bem práticas!
Em primeiro lugar, precisamos nos questionar se esse amor à seleção (ou ao futebol) é um patriotismo sadio ou uma idolatria assumida. Vejamos, por exemplo, se não nos preparamos para quebrar o Dia do Senhor desde já construindo no nosso coração idólatra algumas auto-justificativas ou defesas: o jogo não é no horário do culto… é melhor assistir do que não assistir querendo, pois é pecado do mesmo jeito… ah, essa coisa de Dia do Senhor é farisaísmo (ou outro ismo qualquer).
Outro questionamento que devemos fazer diante do espelho é se a irmandade ocasionada pelo futebol não expõe como nossa situação na Igreja é de profunda fragilidade. A camisa amarela nos une mais que o sangue carmesim do Salvador no Calvário, o grito de gol nos emociona mais que o expirar na cruz, o sorriso de Kaká nos é mais caro que o choro de Jesus e isso fica claro quando não temos nem de perto o mesmo tipo de emoção e alegria quando cultuamos a Deus do que quando cultuamos ao time de Dunga.
Quando formos crentes de verdade, poderemos chegar no dia da final de uma copa do mundo entre Brasil e Argentina e, mesmo com o jogo marcado para o horário do culto, podermos nos ajuntar com os verdadeiros irmãos e, levantando nossas mãos em comemoração de reverente adoração, sairmos desse lugar com uma convicção no nosso coração: É culto a Deus, é Dia do Senhor, Nada Mais Importa!
Pr. Samuel Vitalino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *